quinta-feira, 23 de junho de 2011

já não serve


Já não presta, já não serve
Quantas vezes mais
Terei que me reinventar
Para buscar a paz
Quantas vezes em nossa vida
Temos que avaliar
O que serve e o que já passou
Mesma coisa, outro olhar
Quantas pessoas que nada agregam
Quantas pessoas que realmente já passaram
Quantas mudanças no último ano
Quantas saudades de fato ficaram
Eu olho e vejo que já não é igual
Cada rosto parece banal
Quantos desses já foram especiais?
Quantas dores foram fatais?
Eu já não lembro porque eu chorei
Nem o motivo que me levou a pensar
Que não valia a pena essa vida
Que era hora de parar
Mas Deus que nunca me deixou só
Sabia que tudo iria passar
E me deu o fôlego de volta
E um novo dia para continuar
E agora que eu não morri
Só posso estar mais forte
E tanto que já sofri
Só ampliou o meu norte
E tudo o que eu já vivi
Só me deixa pensar
Que se o que passou estiver em mim
Nada de fato passará
E se esse é o caminho
Eu escolho viver
Pedras e espinhos
Não me machucam não me assustam
E a força que vem de dentro
Só podia resultar
Num sonho novo
Que só eu sei sonhar
E o que já não serve eu não quero
Dores, mágoas e injustiças
Pura vaidade puro rancor
Eu não morri
E o que fica me justifica.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Presença

Não sabia a diferença entre a presença e o nunca estar. Eu não soube desde sempre, Eu nunca estava lá. Só algo que já passou, Ou semp...