Pular para o conteúdo principal

segunda-feira


Segunda-feira é como se fosse
primeiro dia da semana comum
Trabalho,contas...tudo de novo
Somos nós,como qualquer um.
Passam os dias
Alguns não tem sol
Passam as noites
Algumas não acabam
E nessa normalidade a vida segue
Mais um aniversário, e você nem percebe
Algumas noites,você ainda chora
Pensa e dorme,quem sabe melhora
Nunca vão ligar para o que você sente
Nunca vão saber o que se passa em sua mente
Se despede de alguns,é tão natural
 Muda de emprego ,parece banal
E quando perguntam,qual objetivo
Desvia a conversa
Com um belo sorriso
Dentro do peito sabe o que aperta
Mas que importância tem  o seu caminho sem volta
A saudade fica pra quem
Ainda quer respostas
Quando será que vamos entender
que deixar pra lá não é amadurecer
Que o amor tem vontade própria
E aprender causa revolta
 Mas a gente segue,porque tem que seguir
Passa a vida sem estar aqui
Questionar é algo que fica para os mais jovens
Saber de tudo é sua obrigação
Seria isso bom se fosse verdade?
ou seria a sua perdição?
Chorar de saudade,coisa de mulher
sentir que amar é ter o que se quer
e se o tempo passou e você ainda lembra
Saiba que todas sentem dessa maneira
Afinal, rotina não afasta nenhum sentimento
Não se cobre se o amor não se foi com o tempo
nessa loucura que faz o coração
Saber as respostas não é obrigação
Mas a noite solta o amor
põe de lado,faz ele parar
com um jeito doce, ele pára de chorar
Ainda bem que sempre chega a segunda-feira
para que a mulher amanheça e não conte a ninguém
que deixou no travesseiro um bilhete e uma lágrima
abafou o soluço de quem lembra de alguém
o coração que bate no peito não está lá 
ele fica na cama,aguardando e sonhando
 apenas para ver quando vai chegar
a moça que ama e se entristece no passado
se ela soubesse que o coração precisa ser amado
seria ele feliz e não iria deixá-lo
quantas de nós só andamos com um pedaço?....

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A morte da menina

Morreu ela.
Coitadinha.
A menina,
menininha.
E agora,
Quem enterra?
Quais as culpas,
morrem com ela?
Você que vive,
Me diga por favor,
Como é viver
Sem ser digno?
Morreu você,
Morreram todos.
Andam sem saber,
Que todos somos.
Somos culpados
e inocentes,
Sangue derramado,
Vida inconsequente.
Você é melhor que o morto?
Na escala de quem?
Você se faz melhor que outro,
só por rezar e dizer amém?
Amém uns aos outros,
malditos infelizes.
Não adianta fazer tatuagem,
nas suas cicatrizes.
Vocês a mataram,
Ela morreu sem saber.
Que com a força que ela tinha,
não dependia de vocês.
Morram nos seus casamentos,
morram nas suas rotinas,
Mas não se achem mais vivos,
Que aquela formalizada morta menina!

Rei

Acaba com tudo,
acaba com isso,
Ó poderoso, rei dos reis.
Acaba com o mundo,
Ou muda tudo,
Ó poderoso, eu sou, eu sei.
Será que está assistindo,
Qual prazer isso lhe dá...
Será que mora em todo mundo,
Qual a maldade escolheu inventar.
Se fosse eu criador
Não teria criaturas sem amor.
Mas dão o nome de liberdade,
E ficam expostas as verdades.
Olho para o céu, ou para o mar.
A perfeição é tanta...
Mas está difícil caminhar.
Dói a garganta, arranha.
Se eu soubesse que é bom o lado de lá,
Eu iria agora mesmo.
Mas será a fé apenas um desespero
da vida adulta na infância.
Acaba com a dor, ou me ensina
Como ser daquelas pessoas que sabem sorrir.
Se existe uma luz de verdade aí em cima,
Ilumina o mundo e caia sobre mim.
Será a vida somente isso,
Luta e respira tão pouco.
Ainda bem que o amor é ilusão,
Pois só ilusões dão sentido a esse mundo tolo.

Momento

Não era esse,
Não era essa,
Não era ele,
Não era ela.
Aguarde o próximo
ônibus, emprego, amor.
Fica pra próxima,
Depois eu te ligo.
Somos passagens,
Mas eu sou flutuante.
Alguns são paisagens,
Eu sou um instante.
Nessa passagem de vida,
Nada levo comigo,