Pular para o conteúdo principal

Mate-me!


Chegou o dia.
Chegou o pior dia.
Chegou o grande dia.
Mate-me, por favor!
Mate-me urgentemente.
Mate o coração,
que tem uma culpa inconsciente.
Chegou o pior dia da minha vida.
O grande dia do não voltar.
O grande dia da realidade.
O dia da falta de ar.
Chegou a pior a notícia.
Aquela que ninguém contou,
Chegou uma série de consequências,
Das ações que a vida obrigou.
Atirem direto no peito,
mas deve ser um tiro fatal,
Preciso formalizar de algum jeito,
que a minha vida nunca foi real.
Chegou o dia da caça.
Faminta,briguenta,frágil.
Chegou o dia das contestações,
Posso morrer, por favor, eu imploro!
É que eu já morri cada dia um pouco,
desses frágeis últimos anos.
Quem me dera morrer de uma vez,
Senão houvesse dores aqui.
O seu grande dia,
A minha dura realidade.
Posso morrer, pois todos os planos foram seus.
Envolvi muita gente nisso,
Mas brincar é muito mais fácil.
Tem uma parte em mim que ninguém nunca chega.
Essa maldita parte é sua.
O seu grande dia te remete a vida.
O meu grande dia será a morte.
Pois nunca irão entender, o que é viver com a certeza,
de que a vida é um luxo que não me cabe mais.
Mate-me com a sua frieza.
Mate-me com o seu olhar.
Mate-me com meu próprio veneno,
Mate-me por que não sei viver sem te amar!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A morte da menina

Morreu ela.
Coitadinha.
A menina,
menininha.
E agora,
Quem enterra?
Quais as culpas,
morrem com ela?
Você que vive,
Me diga por favor,
Como é viver
Sem ser digno?
Morreu você,
Morreram todos.
Andam sem saber,
Que todos somos.
Somos culpados
e inocentes,
Sangue derramado,
Vida inconsequente.
Você é melhor que o morto?
Na escala de quem?
Você se faz melhor que outro,
só por rezar e dizer amém?
Amém uns aos outros,
malditos infelizes.
Não adianta fazer tatuagem,
nas suas cicatrizes.
Vocês a mataram,
Ela morreu sem saber.
Que com a força que ela tinha,
não dependia de vocês.
Morram nos seus casamentos,
morram nas suas rotinas,
Mas não se achem mais vivos,
Que aquela formalizada morta menina!

Rei

Acaba com tudo,
acaba com isso,
Ó poderoso, rei dos reis.
Acaba com o mundo,
Ou muda tudo,
Ó poderoso, eu sou, eu sei.
Será que está assistindo,
Qual prazer isso lhe dá...
Será que mora em todo mundo,
Qual a maldade escolheu inventar.
Se fosse eu criador
Não teria criaturas sem amor.
Mas dão o nome de liberdade,
E ficam expostas as verdades.
Olho para o céu, ou para o mar.
A perfeição é tanta...
Mas está difícil caminhar.
Dói a garganta, arranha.
Se eu soubesse que é bom o lado de lá,
Eu iria agora mesmo.
Mas será a fé apenas um desespero
da vida adulta na infância.
Acaba com a dor, ou me ensina
Como ser daquelas pessoas que sabem sorrir.
Se existe uma luz de verdade aí em cima,
Ilumina o mundo e caia sobre mim.
Será a vida somente isso,
Luta e respira tão pouco.
Ainda bem que o amor é ilusão,
Pois só ilusões dão sentido a esse mundo tolo.