Pular para o conteúdo principal

Perdida


Eu estava perdida
tentando apenas encontrar
um jeito certo de viver
um jeito certo de sonhar
E parecia que eu estava
perdida no meio do nada
que todas aquelas pessoas
iam e vinham nas calçadas
O tempo nada me revelou
apenas me trouxe verdades
na solidão dos que sofrem
a revelação da doce maldade
Eu nunca sabia para aonde ir
Eu sempre me perdia nas estradas
Eu sempre acabava perdida nos meus sonhos
eu sempre era no meu tudo, um grande nada.
O vento sempre vinha contra
os planos eram sempre outros planos
as pessoas sempre amavam outras
a princesa quis ficar no calabouço
Eu nunca acertava nada
O sopro, o vento, a luz
Eu nunca sabia o que daria certo
tentativas pesadas em forma de cruz
Eu nunca soube quando estava andando em círculos
ou quando só me restava andar para frente
eu nunca tive fôlego o suficiente
para alcançar os que estavam sempre a frente.
E o que eu de fato não sabia
é que eu estava no rumo certo
na bagunça da vida e do destino
existe sempre algo bom por perto
Entre os nós deste meu caminho
havia algo que não fazia sentido
a felicidade que nunca alcancei
de repente me deu um belo sorriso
E a dor de toda a solidão
virou passado, no passado de revoltas
A vida me transformou
para mostrar que o mundo dá voltas
E de tão perdida apenas respirei
e deixei a vida me levar
e a felicidade que experimentei
Foi a recompensa de tanto sonhar
E na solidão dos que apenas sentem
e nada pode falar
não tinha a vida pela frente
tinha o agora, o direito de realizar.
Podem dizer que nada você tem
ou que ninguém você será
Não são eles que dizem e vão além
Há um destino certo para cruzar
Não ouça as vozes que gritam que não
respire fundo e se ponha a caminhar
Se você ainda não está bem
acredite, falta pouco para chegar!


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A morte da menina

Morreu ela.
Coitadinha.
A menina,
menininha.
E agora,
Quem enterra?
Quais as culpas,
morrem com ela?
Você que vive,
Me diga por favor,
Como é viver
Sem ser digno?
Morreu você,
Morreram todos.
Andam sem saber,
Que todos somos.
Somos culpados
e inocentes,
Sangue derramado,
Vida inconsequente.
Você é melhor que o morto?
Na escala de quem?
Você se faz melhor que outro,
só por rezar e dizer amém?
Amém uns aos outros,
malditos infelizes.
Não adianta fazer tatuagem,
nas suas cicatrizes.
Vocês a mataram,
Ela morreu sem saber.
Que com a força que ela tinha,
não dependia de vocês.
Morram nos seus casamentos,
morram nas suas rotinas,
Mas não se achem mais vivos,
Que aquela formalizada morta menina!

Rei

Acaba com tudo,
acaba com isso,
Ó poderoso, rei dos reis.
Acaba com o mundo,
Ou muda tudo,
Ó poderoso, eu sou, eu sei.
Será que está assistindo,
Qual prazer isso lhe dá...
Será que mora em todo mundo,
Qual a maldade escolheu inventar.
Se fosse eu criador
Não teria criaturas sem amor.
Mas dão o nome de liberdade,
E ficam expostas as verdades.
Olho para o céu, ou para o mar.
A perfeição é tanta...
Mas está difícil caminhar.
Dói a garganta, arranha.
Se eu soubesse que é bom o lado de lá,
Eu iria agora mesmo.
Mas será a fé apenas um desespero
da vida adulta na infância.
Acaba com a dor, ou me ensina
Como ser daquelas pessoas que sabem sorrir.
Se existe uma luz de verdade aí em cima,
Ilumina o mundo e caia sobre mim.
Será a vida somente isso,
Luta e respira tão pouco.
Ainda bem que o amor é ilusão,
Pois só ilusões dão sentido a esse mundo tolo.

Momento

Não era esse,
Não era essa,
Não era ele,
Não era ela.
Aguarde o próximo
ônibus, emprego, amor.
Fica pra próxima,
Depois eu te ligo.
Somos passagens,
Mas eu sou flutuante.
Alguns são paisagens,
Eu sou um instante.
Nessa passagem de vida,
Nada levo comigo,