Pular para o conteúdo principal

Onda de Emoção

Ondas são belos exemplos...
bela referência de impulso, de invasão, de arremesso.
Mesmo achando que as ondas são comuns,
São usadas como analogias diversas vezes,
eu vou falar delas.
Por uma só razão, é como me sinto.
Invasão, arrastão, inundação, assalto.
Era só um dia normal, quando uma lembrança me pega desprevenida,
fui pega de assalto.
A onda invadiu. Meus livros, meu quarto, minhas histórias.
A onda invadiu até o meu esconderijo.
Não era para ninguém entrar ali, era meu lugar!
Mas a onda é forte, é violenta, ela inunda meu ser.
Ela tira toda a força do momento, toda a fé que eu tive em mim, em nós.
Depois que a onda passa, não resta mais nada.
Fica tudo parado, tudo morto, não ha vida, há apenas bagunça.
Meus pés sujos de areia. Areia e onda em meu quarto.
Invadiram meu ser, minha história. Mas que contou o meu segredo?
Era só meu. Era meu amor. Guardei em algum lugar que nem me lembro de fato.
Procuro por mim mesma embaixo da minha bagunça.
Quem sabe dentro de uma gaveta?
Quem sabe chorando no canto do quarto?
Quem sabe correndo tentando se salvar,
Quem sabe inerte, afogada.
Quem sabe apenas calada?
É uma onda. Dura alguns segundos. Leva tudo o que encontra.
Tira as colunas do meu mundo.
Está tudo tão bagunçado.Eu pego aos poucos coisas do chão.
De repente não são mais coisas. Sou eu mesma.
Eu tenho uma vida. Eu sou uma pessoa.Mas que pessoa eu sou?
respiro tão fundo, que sinto meus pulmões.
Vou ter que arrumar essa bagunça;
Vou ter que refazer esse quarto;
vou ter que rever essa historia.
Nada me resta. Até quando eu vou ter forças?
Talvez eu arrume tudo, e então venha essa onda.
Começa com um vento, uma brisa, e invade.
Derruba a estante, os quadros na parede, os sonhos do travesseiro.
Tragédia. terremoto. Furacão.
Onda mal educada que sempre me pega desavisada.
Talvez seja apenas você, e um pouco de água.
Me deixa sempre machucada, sempre sangra uma parte.
Eu me faço de rocha, sempre que essa onda me invade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A morte da menina

Morreu ela.
Coitadinha.
A menina,
menininha.
E agora,
Quem enterra?
Quais as culpas,
morrem com ela?
Você que vive,
Me diga por favor,
Como é viver
Sem ser digno?
Morreu você,
Morreram todos.
Andam sem saber,
Que todos somos.
Somos culpados
e inocentes,
Sangue derramado,
Vida inconsequente.
Você é melhor que o morto?
Na escala de quem?
Você se faz melhor que outro,
só por rezar e dizer amém?
Amém uns aos outros,
malditos infelizes.
Não adianta fazer tatuagem,
nas suas cicatrizes.
Vocês a mataram,
Ela morreu sem saber.
Que com a força que ela tinha,
não dependia de vocês.
Morram nos seus casamentos,
morram nas suas rotinas,
Mas não se achem mais vivos,
Que aquela formalizada morta menina!

Rei

Acaba com tudo,
acaba com isso,
Ó poderoso, rei dos reis.
Acaba com o mundo,
Ou muda tudo,
Ó poderoso, eu sou, eu sei.
Será que está assistindo,
Qual prazer isso lhe dá...
Será que mora em todo mundo,
Qual a maldade escolheu inventar.
Se fosse eu criador
Não teria criaturas sem amor.
Mas dão o nome de liberdade,
E ficam expostas as verdades.
Olho para o céu, ou para o mar.
A perfeição é tanta...
Mas está difícil caminhar.
Dói a garganta, arranha.
Se eu soubesse que é bom o lado de lá,
Eu iria agora mesmo.
Mas será a fé apenas um desespero
da vida adulta na infância.
Acaba com a dor, ou me ensina
Como ser daquelas pessoas que sabem sorrir.
Se existe uma luz de verdade aí em cima,
Ilumina o mundo e caia sobre mim.
Será a vida somente isso,
Luta e respira tão pouco.
Ainda bem que o amor é ilusão,
Pois só ilusões dão sentido a esse mundo tolo.

Momento

Não era esse,
Não era essa,
Não era ele,
Não era ela.
Aguarde o próximo
ônibus, emprego, amor.
Fica pra próxima,
Depois eu te ligo.
Somos passagens,
Mas eu sou flutuante.
Alguns são paisagens,
Eu sou um instante.
Nessa passagem de vida,
Nada levo comigo,