Pular para o conteúdo principal

Misoginia



Quem poderá julgar
Se é terra ou mar,
Se falta amor ou cor,
Se dá falta de ar.
Quem poderá dizer
Que não dá para se envolver,
Que tenho muito o que aprender,
Que não tem que ser você.
Muitos mundos, muitas cores,
Muitas pessoas,muitos amores.
Mas você tem o seu lugar,
Você me faz superar.
Foi com você que eu perdi o chão,
Foi você que me tirou a segurança,
foi você que me ensinou a arriscar,
foi com você que deixei de ser criança.
Gostaria de te dar cores novas,
viver novas aventuras,
Ser a rainha de seus amores,
ser a deusa das meninas.
Gostaria de sonhar os seus sonhos,
ser amiga e ser sua amante,
Ser mulher sem tantos títulos,
Gostaria que estivesse sempre comigo.
Será essa uma forma de amor?
Será eu que tenho muito o que aprender?
Será que estou agora apaixonada?
Será você que não me vê como amada?
Alguma coisa aconteceu...
Erramos juntos, na mesma história.
Algo em nós se perdeu,
E eu não quero nenhuma glória, nenhum titulo que já morreu.
Eu sei que terei de deixá-lo ir,
quando o amor encontrar teu peito,
eu não serei nada pra ti,
serei a menina sem segredos.
Essa forma de amar, nada justifica.
Eu tenho que te deixar,
toda vez que te beijo,
você vai e nada em mim fica.
Essa vazio de te querer,
que se preenche em alguns momentos,
é uma ilusão a dois,
que não se vai com o tempo.
Essa forma de amor,
que em migalhas me traz alegria,
é uma forma de prazer,
ou mera misoginia.
Estando errada ou certa,
eu tenho que seguir.
Seu abraço que liberta,
a história completa, nunca vai existir.
Quem poderá julgar,
além de nós dois,
se amar é ter pra sempre,
ou nunca pensar no depois.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A morte da menina

Morreu ela.
Coitadinha.
A menina,
menininha.
E agora,
Quem enterra?
Quais as culpas,
morrem com ela?
Você que vive,
Me diga por favor,
Como é viver
Sem ser digno?
Morreu você,
Morreram todos.
Andam sem saber,
Que todos somos.
Somos culpados
e inocentes,
Sangue derramado,
Vida inconsequente.
Você é melhor que o morto?
Na escala de quem?
Você se faz melhor que outro,
só por rezar e dizer amém?
Amém uns aos outros,
malditos infelizes.
Não adianta fazer tatuagem,
nas suas cicatrizes.
Vocês a mataram,
Ela morreu sem saber.
Que com a força que ela tinha,
não dependia de vocês.
Morram nos seus casamentos,
morram nas suas rotinas,
Mas não se achem mais vivos,
Que aquela formalizada morta menina!

Rei

Acaba com tudo,
acaba com isso,
Ó poderoso, rei dos reis.
Acaba com o mundo,
Ou muda tudo,
Ó poderoso, eu sou, eu sei.
Será que está assistindo,
Qual prazer isso lhe dá...
Será que mora em todo mundo,
Qual a maldade escolheu inventar.
Se fosse eu criador
Não teria criaturas sem amor.
Mas dão o nome de liberdade,
E ficam expostas as verdades.
Olho para o céu, ou para o mar.
A perfeição é tanta...
Mas está difícil caminhar.
Dói a garganta, arranha.
Se eu soubesse que é bom o lado de lá,
Eu iria agora mesmo.
Mas será a fé apenas um desespero
da vida adulta na infância.
Acaba com a dor, ou me ensina
Como ser daquelas pessoas que sabem sorrir.
Se existe uma luz de verdade aí em cima,
Ilumina o mundo e caia sobre mim.
Será a vida somente isso,
Luta e respira tão pouco.
Ainda bem que o amor é ilusão,
Pois só ilusões dão sentido a esse mundo tolo.

Momento

Não era esse,
Não era essa,
Não era ele,
Não era ela.
Aguarde o próximo
ônibus, emprego, amor.
Fica pra próxima,
Depois eu te ligo.
Somos passagens,
Mas eu sou flutuante.
Alguns são paisagens,
Eu sou um instante.
Nessa passagem de vida,
Nada levo comigo,