Pular para o conteúdo principal

Pesadelo

Um grito preso na alma,
Mãos agarrando a garganta.
Pés de bailarinas cheios de calo...
Um choro tão sincero que é de criança.
Um flash na memória,
Momentos desintegrados.
Uma briga, um silêncio.
Apenas um coração quebrado.
Lembrou do seu próprio sorriso?
Sentir saudades de quem?
Será que erraram comigo,
ou eu que me fiz ninguém?
Pés descalços que sangraram,
assim que tocaram a terra.
Cada toque,cheiro e cor,
não levou o que era dela.
Mas que sorriso tão inocente!
Quem disse que você podia?
Vista-se para o jantar!
e ela morre mais um dia.
Aperto no coração,
provocado por seus medos.
Medos de tantas coisas,
Quais realmente aconteceram?
Madrugada quanto mais fria,
Mais cortante tornam-se as lembranças.
Ela tenta retirar tantas mãos,sussurros,vultos...
Deseja poder chorar como criança.
Seja forte, tente não lembrar.
Cada cena, não precisa colorir.
Ou chore e grite até cansar.
Mas o seu passado, você precisa deixar ir!
Dia seguinte, enfim está claro.
Vai tentar esquecer durante o dia inteiro.
Sabe que ao se deitar e sonhar,
Viverá novamente seu pesadelo.
Pesadelo é a vida real?
Pesadelos são os sonhos que estão gritando?
Pesadelo é a criança que você escondeu?
A noite apenas é a mais verdadeira.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A morte da menina

Morreu ela.
Coitadinha.
A menina,
menininha.
E agora,
Quem enterra?
Quais as culpas,
morrem com ela?
Você que vive,
Me diga por favor,
Como é viver
Sem ser digno?
Morreu você,
Morreram todos.
Andam sem saber,
Que todos somos.
Somos culpados
e inocentes,
Sangue derramado,
Vida inconsequente.
Você é melhor que o morto?
Na escala de quem?
Você se faz melhor que outro,
só por rezar e dizer amém?
Amém uns aos outros,
malditos infelizes.
Não adianta fazer tatuagem,
nas suas cicatrizes.
Vocês a mataram,
Ela morreu sem saber.
Que com a força que ela tinha,
não dependia de vocês.
Morram nos seus casamentos,
morram nas suas rotinas,
Mas não se achem mais vivos,
Que aquela formalizada morta menina!

Rei

Acaba com tudo,
acaba com isso,
Ó poderoso, rei dos reis.
Acaba com o mundo,
Ou muda tudo,
Ó poderoso, eu sou, eu sei.
Será que está assistindo,
Qual prazer isso lhe dá...
Será que mora em todo mundo,
Qual a maldade escolheu inventar.
Se fosse eu criador
Não teria criaturas sem amor.
Mas dão o nome de liberdade,
E ficam expostas as verdades.
Olho para o céu, ou para o mar.
A perfeição é tanta...
Mas está difícil caminhar.
Dói a garganta, arranha.
Se eu soubesse que é bom o lado de lá,
Eu iria agora mesmo.
Mas será a fé apenas um desespero
da vida adulta na infância.
Acaba com a dor, ou me ensina
Como ser daquelas pessoas que sabem sorrir.
Se existe uma luz de verdade aí em cima,
Ilumina o mundo e caia sobre mim.
Será a vida somente isso,
Luta e respira tão pouco.
Ainda bem que o amor é ilusão,
Pois só ilusões dão sentido a esse mundo tolo.