Pular para o conteúdo principal

O Castelo tinha um calabouço

 
Vai ter festa no castelo!
Preparem os melhores trajes!
Contratem os melhores músicos,
Chamem os melhores alfaiates!
Chamem os súditos e os serviçais,
Chamem as moças do reino,
Chamem as crianças que dançam,
Chamem todo a cidade!
Façam um grande banquete,
Decorem todo o castelo,
Comemorem dias inteiros,
Sorriem sorrisos sinceros!
Mas não cheguem ao calabouço,
Lá não há nada de bom...
Lá não há o que ser visto,
Ali só tem escuridão.
Andem por todo o saguão,
Chequem o sabor e a temperatura,
Tudo tem que estar perfeito,
E que comece a primeira dança!
Quem venham o rei e rainha,
Que venha a princesa sem seu príncipe,
Que se façam todas as ironias,
Que tudo seja uma grande festa.
Que todos comecem a ir embora,
Depois do cansaço tomar conta,
Que o rei tenha orgulho da princesa que ninguém tocou,
Que a rainha a veja sempre criança.
Que ninguém siga a princesa a todo instante,
e não vejam que ela chora...
O que ela foi fazer no calabouço?
Cessam- se as luzes, a musica, a festa.
A Princesa perfeita acabou com a festa!
E agora rei e rainha?
Terão que limpar tudo de novo?
Vejam só, ela foi para o calabouço,
Para não atrapalhar a festa de todos!
Mas porque ela não estava bem?
O anuncio demorou para ser feito,
Ela não soube que seria feliz, dali a apenas alguns minutos!
A festa era surpresa, seu príncipe  viria de outro reinado,
Não deu tempo de contar para a precipitada, que a festa era para ela!
O que será que ela pensou?
Achou que era apenas mais uma hipocrisia...
E o amor que tinha no peito, ditou as regras de sua fantasia.
O amor de sua vida, desde a infância, mas quem diria!
Chora ao lado do corpo inerte, a aliança que ele faria.
A festa virou funeral,
Não é assim que  mudam as coisas...
Porque não esperou princesa, a festa acabar? Machucou muitos corações...
E você, em qual fato baseia suas decisões?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A morte da menina

Morreu ela.
Coitadinha.
A menina,
menininha.
E agora,
Quem enterra?
Quais as culpas,
morrem com ela?
Você que vive,
Me diga por favor,
Como é viver
Sem ser digno?
Morreu você,
Morreram todos.
Andam sem saber,
Que todos somos.
Somos culpados
e inocentes,
Sangue derramado,
Vida inconsequente.
Você é melhor que o morto?
Na escala de quem?
Você se faz melhor que outro,
só por rezar e dizer amém?
Amém uns aos outros,
malditos infelizes.
Não adianta fazer tatuagem,
nas suas cicatrizes.
Vocês a mataram,
Ela morreu sem saber.
Que com a força que ela tinha,
não dependia de vocês.
Morram nos seus casamentos,
morram nas suas rotinas,
Mas não se achem mais vivos,
Que aquela formalizada morta menina!

Rei

Acaba com tudo,
acaba com isso,
Ó poderoso, rei dos reis.
Acaba com o mundo,
Ou muda tudo,
Ó poderoso, eu sou, eu sei.
Será que está assistindo,
Qual prazer isso lhe dá...
Será que mora em todo mundo,
Qual a maldade escolheu inventar.
Se fosse eu criador
Não teria criaturas sem amor.
Mas dão o nome de liberdade,
E ficam expostas as verdades.
Olho para o céu, ou para o mar.
A perfeição é tanta...
Mas está difícil caminhar.
Dói a garganta, arranha.
Se eu soubesse que é bom o lado de lá,
Eu iria agora mesmo.
Mas será a fé apenas um desespero
da vida adulta na infância.
Acaba com a dor, ou me ensina
Como ser daquelas pessoas que sabem sorrir.
Se existe uma luz de verdade aí em cima,
Ilumina o mundo e caia sobre mim.
Será a vida somente isso,
Luta e respira tão pouco.
Ainda bem que o amor é ilusão,
Pois só ilusões dão sentido a esse mundo tolo.

Momento

Não era esse,
Não era essa,
Não era ele,
Não era ela.
Aguarde o próximo
ônibus, emprego, amor.
Fica pra próxima,
Depois eu te ligo.
Somos passagens,
Mas eu sou flutuante.
Alguns são paisagens,
Eu sou um instante.
Nessa passagem de vida,
Nada levo comigo,