domingo, 18 de maio de 2014

Nova Versão


Preciso tirar a pele,
Preciso trocar de roupa,
Preciso arrancar as marcas,
Preciso ficar mais solta.
Preciso arrancar as opiniões,
e os julgamentos alheios.
Preciso remover velhas paixões,
E tantas coisas que componho.
Preciso remover a tatuagem,
Preciso remover a sua imagem,
Preciso te devolver,
As lembranças que carrego.
Preciso desfazer as malas,
Desfazer os laços e mandar pela janela,
todos os mal entendidos.
Preciso lavar a alma,
Esfriar a mente,
Seguir em frente.
Preciso tirar você, remover as pedras,
Tomar meu café quente.
Preciso não atender o telefone,
Não deixar ninguém subir,
Quebrar meu interfone.
Preciso destatuar você,
Remover você, deixar você.
Preciso renascer, reviver,
Quem sou eu sem você?
Preciso me responder, corresponder,
virar a mesa.
Preciso te desvestir, deixar partir,
Ser uma nova versão de mim mesma.
Preciso ter aversão a ser deixada no esquecimento,
Preciso de mais realidade, mais amor tangível, menos sentimento.

Tarja Preta


Estava eu sendo eu mesma?
Estava eu sendo outra?
Tentei ser perfeita,
Mas onde moram as princesas?
Tinha eu que descer das nuvens,
Mas qual seria o tamanho do tombo?
Eu achei que o tempo ajudaria
Mas o tempo não ajuda o tempo todo.
Me perdi em meio as dores da vida,
Me perdi em meio ao medo da morte,
Me perdi sendo tantas,
Me perdi nas feridas do corte.
Estava eu sendo feliz?
Ou uma caricatura de mim mesma?
Procurava o que não sabia,
Nem sabia do que precisava.
Estava eu de frente ao espelho,
E não me reconhecia mais,
Não podia ser a mesma o tempo todo,
Mas em que lugar ficou a minha paz?
Revolta é remédio tardio,
a tarja preta do ódio,
Qual o tamanho do vazio,
Que se enche de óbvio.
Não deu certo uma vez,
Não deu certo cinco, dez e cem.
Eu nem posso respirar,
Acabaram as pausas pra chorar.
Sou eu agora quem sempre fui?
Ou a vida que me transformou?
Será que naquele tempo me perdi?
Ou tinha medo de aparecer?
Estava eu me omitindo,
Ou realmente tinha que me conhecer?
As respostas eu não tenho,
As ordens e os fatores não conversam.
Eu não quero ser para você,
Nada que me torne um regresso.
Preciso de uma nova versão de mim.
Preciso me encontrar,
e se a mulher que me aguarda não estiver afim,
Será a sua vez de aguardar.


Mudar

Eu nem sei quantas vezes eu já tentei,
Eu não sei ao certo quantas vezes eu questionei,
Eu vi o tempo correr,
Eu o tempo todo sem você.
A verdade é que eu quero que tudo mude,
Mas eu quero que fique como está.
A verdade é que por causa da nossa história ,
Eu me tirei o direito de amar.
A verdade é que as mentiras ,
Tomam tempo demais
Eu nem sei em que ocasião
 deveria ter deixado tudo pra trás,
Mas eu sei exatamente quando me apaixonei.
Se me perguntar de algum detalhe a mais,
Eu te digo que eu nem sei.
Eu nem sei se eu quero mudar,
Ficar diferente ou como está.
Tentativas não levam a nada,
Quando são tão equivocadas.
Tenho que tentar de novo,
Não sei quando virá o meu sono profundo,
Eu tenho que experimentar o sabor 
de ser feliz ainda neste mundo.
O que de minhas mãos escapou,
Eu desfaço de tantas migalhas.
Ou você me dá o seu amor,
Ou não me dê nada!
Amar você não é um jeito de viver,
Ver a sua felicidade brilhar ,
Não que você não mereça,
Mas cadê as voltas que a vida dá?
Chega, nada muda sem uma decisão!
Cansei de ser brinquedo, ser qualquer uma,
Ou mudo eu de postura,
Ou não muda coisa nenhuma.
Amar também pode ser um erro,
E errar todo mundo pode.
Você não pode é abusar,
do amor que de alguma forma é covarde.
Fui covarde sim, me escondi!
Fui sua e nunca fui minha.
Quero que mude tudo agora,
Nada perde, quem nada tinha.

Adiante


Sugaram minha energia.
Eu nem sabia que podia voar.
Escureceram o meu dia.
Me deixaram totalmente sem ar.
Eu até tinha asas fortes,
Mas fiquei presa ao chão.
A lama que atiravam era forte,
Eu só prendi a respiração.
Eu não merecia isso.
Um amor que eu tomei como meu,
Outro fingindo que o que eu mais queria,
finalmente apareceu.
Decepções todos temos.
Mas  como reagir?
Quanto tempo nós perdemos
com o que nunca vai existir?
Vampirizaram a minha alma.
Fui eu que entreguei meus sonhos?
Nem lembro qual o limite,
Entre ser feliz e ser um louco.
Beberam o sangue da minha alegria,
Me convidaram sorrindo para o abismo.
Me atiraram e me deixaram.
Não podia acreditar em sorrisos.
Cadê os meus sonhos, onde estão?
Vocês vão me deixar aqui?
Fecharam a porta na minha cara,
E eu não podia entrar em mim.
Vampirizaram e enfraqueceram.
A força que eu busquei,
Eu nem sabia que estava em mim.
Não deixem que roubem a sua alegria,
Felicidade está em você conseguir.
Saiam sugadores de energia,
Fechei os ouvidos e não tenho mais tempo!
Vou fortalecer as minhas asas,
Eu preciso levantar voo!
Peguei meus sonhos de volta,
Embora estivessem empoeirados.
Ainda bem que aprendi a voar.
Fênix nem sempre é só um pássaro.
Sugaram minha energia,
Eu fiquei sem minha alma.
Tolerei e aprendi que os limites,
Você coloca, você espalha.
Nunca mais entrarei no abismo.
Não falo para onde vou,
Nem finjam se importar.
A energia que em mim ficou,
vocês não vão retirar.
Nunca mais permitirei que me tirem,
o que eu tenho como importante.
E seu eu ver vocês no abismo,
Desculpem, mas sigo adiante!





Espelho



Procurei a felicidade.
Procurei na inocência do primeiro amor.
Procurei na amizade que era eterna,
Procurei no sim que consentia,
Procurei no decorrer das primaveras.
Procurei no olhar de sinceridade,
Procurei nas ligações que recebia,
Procurei nos dias seguintes,
Procurei na vida que seguia.
Um dia estaria pronta.
Tudo estaria de acordo com os meus sonhos.
Um dia você amaria.
Daria valor a mulher que viveu a vida.
Mas uma coisa eu não percebia.
Quem era eu para mim mesma?
Seria eu uma carrasca,
Odiando o laço do vestido da princesa?
Seria eu uma mulher da fato,
E que do seu amor não fazia questão?
Olhava eu o mesmo retrato,
e não percebia a real movimentação.
Pessoas passavam rápido,
Algumas esbarravam em mim,
Nem todas se desculpavam,
Algumas julgavam ser o meu fim.
A verdade é que o grande via,
De fato nunca existiu.
Era tudo fantasia.
E você que nunca estivera, partiu.
Procurei a calmaria.
Procurei não chorar tanto.
Eu muito precisaria,
acalmar aquele pranto.
E o tempo passou,
nem esperou sarar os machucados.
Os amigos e falsos amores,
todos podiam ser enumerados.
Procurei a sinceridade.
Quanto tempo levei para perceber?
Não existe na realidade,
A verdade do que se vê.
Talvez hoje eu seja essa mulher,
Que segue a vida recomeçando.
A juventude já não quer,
Caber na menina que vive chorando.
Quantos lados possui uma história de amor?
A vida não é essa perfeição para todos.
Posso ter escutado a minha dor.
Mas aprendi a me livrar dos tolos.
Estou muito mais forte,
Não procuro mais nada,
Cada gota, cada corte,
Mostrou o que eu precisava.
Não era amor, não era nada.
Não era a cor escura das madrugadas.
Não era mentira, não era migalha,
Nem era você fingindo que me amava.
A vida é um quadro que a gente muda,
Paisagem em terceira dimensão.
Procurei um fonte de luz,
Em algo que já beirava a escuridão.
Procurei a felicidade.
Bastava que eu  olhasse no espelho.
Depois de tantos jogos e maldades.
Ainda passei maquiagem, e arrumei os meus cabelos.




Presença

Não sabia a diferença entre a presença e o nunca estar. Eu não soube desde sempre, Eu nunca estava lá. Só algo que já passou, Ou semp...