sábado, 30 de agosto de 2014

Pesadelo

Um grito preso na alma,
Mãos agarrando a garganta.
Pés de bailarinas cheios de calo...
Um choro tão sincero que é de criança.
Um flash na memória,
Momentos desintegrados.
Uma briga, um silêncio.
Apenas um coração quebrado.
Lembrou do seu próprio sorriso?
Sentir saudades de quem?
Será que erraram comigo,
ou eu que me fiz ninguém?
Pés descalços que sangraram,
assim que tocaram a terra.
Cada toque,cheiro e cor,
não levou o que era dela.
Mas que sorriso tão inocente!
Quem disse que você podia?
Vista-se para o jantar!
e ela morre mais um dia.
Aperto no coração,
provocado por seus medos.
Medos de tantas coisas,
Quais realmente aconteceram?
Madrugada quanto mais fria,
Mais cortante tornam-se as lembranças.
Ela tenta retirar tantas mãos,sussurros,vultos...
Deseja poder chorar como criança.
Seja forte, tente não lembrar.
Cada cena, não precisa colorir.
Ou chore e grite até cansar.
Mas o seu passado, você precisa deixar ir!
Dia seguinte, enfim está claro.
Vai tentar esquecer durante o dia inteiro.
Sabe que ao se deitar e sonhar,
Viverá novamente seu pesadelo.
Pesadelo é a vida real?
Pesadelos são os sonhos que estão gritando?
Pesadelo é a criança que você escondeu?
A noite apenas é a mais verdadeira.


Presença

Não sabia a diferença entre a presença e o nunca estar. Eu não soube desde sempre, Eu nunca estava lá. Só algo que já passou, Ou semp...