Pular para o conteúdo principal

Mera Formalidade

Resultado de imagem para escrevendo carta
Formalizo a minha despedida.
Formalizo o final de tudo,
Formalizo a minha saída,
O final da vida neste mundo.
Meras formalidades,
Um pouco de educação,
Num mundo de covardes,
A coragem gera solidão.
Morri ao chorar feito criança,
Quando descobri minhas verdades.
Morri ao perder as ilusões,
E fiquei com a dura realidade.
Morri quando concordei,
Mas eu queria mesmo era gritar!
Morri quando dei a minha vez,
Depois de tanto esperar.
Morri quando deixei que você fosse,
Como se viver fosse tão fácil.
Morri quando chorei de saudade,
E vi desfazer importantes laços.
Eu queria receber notícias.
Amigos tão queridos um dia,
O amor da minha vida indo embora,
E eu fingindo que tinha alegria.
Formalizo o enterro dos meus sonhos.
São crianças que nunca crescem.
Eu queria olhar nos seus olhos,
e dizer a verdade que me entristece.
Eu disse não, eu abri mão.
Eu briguei por causas e pessoas,
A forma como me vi,
A maneira como vivi.
Esse uso errado que fiz de mim.
Não era só mais um na multidão,
Eu não escutei meu próprio coração.
Formalizo a minha decisão.
Toda vez que errei, toda vez que não liguei,
Toda vez que abri mão de algum sonho,
Decidi morrer um pouco.
E agora morra essa pessoa que nada queria,
Que se lamentou, que se evitou.
Renasça de novo uma pessoa inteira,
Morra agora essa verdade meia.
E se eu pudesse voltar no tempo,
Teria realizado todos os meus sonhos,
Teria tido menos ódio,criticado menos,
Teria vivido o amor em seu tempo,
E não teria perdido meus amigos.
Formalizo a minha ida,
Ou  morro ou renasço,
Viver esse coma consciente dos meus sonhos,
Não será mais a opção que me encaixo.
E se ainda restar tempo de ser feliz,
Irei um dia atrás do seu sorriso,
Formalizarei a vida que está em mim,
Dando-lhe o amor que tanto tenho comigo.
Quando não se vive sua verdade,
Viver ou morrer é mera formalidade.
E esse amor incubado,
E essas opiniões de quem não sabe,
Jogo tudo para o alto,
Quero viver a minha verdade!
Despeço-me da dor,
Despeço-me de tudo o que não me faz bem,
Abro a porta para o amor,
Quero a vida com todo o desafio que ela tem.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A morte da menina

Morreu ela.
Coitadinha.
A menina,
menininha.
E agora,
Quem enterra?
Quais as culpas,
morrem com ela?
Você que vive,
Me diga por favor,
Como é viver
Sem ser digno?
Morreu você,
Morreram todos.
Andam sem saber,
Que todos somos.
Somos culpados
e inocentes,
Sangue derramado,
Vida inconsequente.
Você é melhor que o morto?
Na escala de quem?
Você se faz melhor que outro,
só por rezar e dizer amém?
Amém uns aos outros,
malditos infelizes.
Não adianta fazer tatuagem,
nas suas cicatrizes.
Vocês a mataram,
Ela morreu sem saber.
Que com a força que ela tinha,
não dependia de vocês.
Morram nos seus casamentos,
morram nas suas rotinas,
Mas não se achem mais vivos,
Que aquela formalizada morta menina!

Rei

Acaba com tudo,
acaba com isso,
Ó poderoso, rei dos reis.
Acaba com o mundo,
Ou muda tudo,
Ó poderoso, eu sou, eu sei.
Será que está assistindo,
Qual prazer isso lhe dá...
Será que mora em todo mundo,
Qual a maldade escolheu inventar.
Se fosse eu criador
Não teria criaturas sem amor.
Mas dão o nome de liberdade,
E ficam expostas as verdades.
Olho para o céu, ou para o mar.
A perfeição é tanta...
Mas está difícil caminhar.
Dói a garganta, arranha.
Se eu soubesse que é bom o lado de lá,
Eu iria agora mesmo.
Mas será a fé apenas um desespero
da vida adulta na infância.
Acaba com a dor, ou me ensina
Como ser daquelas pessoas que sabem sorrir.
Se existe uma luz de verdade aí em cima,
Ilumina o mundo e caia sobre mim.
Será a vida somente isso,
Luta e respira tão pouco.
Ainda bem que o amor é ilusão,
Pois só ilusões dão sentido a esse mundo tolo.

Momento

Não era esse,
Não era essa,
Não era ele,
Não era ela.
Aguarde o próximo
ônibus, emprego, amor.
Fica pra próxima,
Depois eu te ligo.
Somos passagens,
Mas eu sou flutuante.
Alguns são paisagens,
Eu sou um instante.
Nessa passagem de vida,
Nada levo comigo,