Sexta Feira

Não mudaram as sextas feiras.
Os dias da minha semana,
Continuam tendo as mesmas vinte e quatro horas,
Mas as horas já não são as mesmas.
Mudaram as obrigações,
E eu nem percebi.
Meses tão iguais,
Escondiam tanto de mim.
Uma semana inteira,
Um mês completo,
Uma certa maneira,
De querer estar perto.
Um final de semana,
Talvez num acampamento.
Uma cidade inteira,
E cabelos ao vento.
Esperando os amigos,
Para conversar sobre tudo,
Dançando até cansar,
e que se dane o mundo.
Alguns que foram viajar,
E famílias se formando,
E o tempo a voar,
E eu fico aqui pensando.
Alguns problemas adultos,
E as mascaras caindo,
Algumas lágrimas ocultas,
Segredos que foram vindo.
De repente os sábados e domingos,
São do amor de sua vida,
E quando se pensa em tempo perdido,
É esse tempo que se contabiliza.
O que é o tempo perdido?
Qual foi o tempo que ganhei?
Essas ultimas sextas feiras,
nenhum amigo esperei.
E assim fantasiada de rotina,
Vem a vida e tanto nos ensina,
Eu nasci numa segunda feira,
E tantas depois já viveram a menina.
É por isso que é tão frágil e valioso,
O tempo de quem se ama,
Porque pode ser que num domingo,
Não se veja mais aquela pessoa.
E é assim que se vive,
Sem segredo ou grande dia,
A vida não é um grande evento,
A alegria mora na rotina.
Não mudaram as sextas feiras,
Fui eu quem mudou nos últimos anos,
Aprendendo com erros, amigos e planos.
Te liguei porque essa semana decidi viver meus sonhos.

Comentários

Postagens mais visitadas