Pular para o conteúdo principal

Guerra particular

Resultado de imagem para mulher guerreira medieval

Desviei de tantas coisas.
Jogaram pedras, atearam fogo.
Eu não conseguia respirar,
Eu não sabia as regras do jogo.
Tive tantas vezes que lutar,
Que esqueci do compromisso,
Me tirei o direito de sonhar,
e falhei demais comigo.
O meu ombro ficou pesado,
de tanto ser amigo,
O mundo foi carregado,
e nunca se importaram comigo.
Eu pensei que estava certa,
E falsos aplausos soaram,
Um vez que a verdade foi descoberta,
Todas as amizades fracassaram.
Eu estava no tiroteio,
Emoção, ódio, escolhendo quais seriam minhas culpas.
E essa coisa de paixão,
Foi a primeira a perder a luta.
Eu estava suja, sozinha, derrotada.
Ouvia as vozes que apoiei.
Elas falavam de minhas fraquezas,
E eu sofri na mesma proporção que confiei.
Eu fechei os olhos tantas vezes,
Para tentar mudar aquela história.
Mas a fantasia só atrapalhou,
As dores já estavam na minha memória.
Eu tinha que seguir sozinha,
Ferida, machucada e derrotada.
E todos foram felizes,
Nessa história muito mal contada.
As vezes eu queria
 ter nascido pro amor,
Ter amigos de verdade,
Não me entregar a dor.
Eu segui me arrastando nessa  guerra sofrida,
Eu tive que me armar,
Enquanto ostentavam suas próprias conquistas.
E agora estou perdida,
Eu penso que atravessei o mar,
Mas no fundo dos meus olhos,
Eu me vejo no mesmo lugar.
Só queria que fosse mais fácil,
E que tudo não fosse uma luta.
O preço que eu pago,
É por seguir a minha conduta.
E não importa se há pessoas,
ou coisas na minha linha,
Se eu não tiver seu amor,
Eu sempre estarei sozinha.
Se eu seguir feito um espectro,
Que não tem direito a emoção...
Que acabe o meu fôlego,
Que pare esse coração.
Se tocarem o meu corpo,
Minha alma jamais vão tocar,
Sigo criando táticas de sobrevivência,
Nessa minha guerra particular.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A morte da menina

Morreu ela.
Coitadinha.
A menina,
menininha.
E agora,
Quem enterra?
Quais as culpas,
morrem com ela?
Você que vive,
Me diga por favor,
Como é viver
Sem ser digno?
Morreu você,
Morreram todos.
Andam sem saber,
Que todos somos.
Somos culpados
e inocentes,
Sangue derramado,
Vida inconsequente.
Você é melhor que o morto?
Na escala de quem?
Você se faz melhor que outro,
só por rezar e dizer amém?
Amém uns aos outros,
malditos infelizes.
Não adianta fazer tatuagem,
nas suas cicatrizes.
Vocês a mataram,
Ela morreu sem saber.
Que com a força que ela tinha,
não dependia de vocês.
Morram nos seus casamentos,
morram nas suas rotinas,
Mas não se achem mais vivos,
Que aquela formalizada morta menina!

Rei

Acaba com tudo,
acaba com isso,
Ó poderoso, rei dos reis.
Acaba com o mundo,
Ou muda tudo,
Ó poderoso, eu sou, eu sei.
Será que está assistindo,
Qual prazer isso lhe dá...
Será que mora em todo mundo,
Qual a maldade escolheu inventar.
Se fosse eu criador
Não teria criaturas sem amor.
Mas dão o nome de liberdade,
E ficam expostas as verdades.
Olho para o céu, ou para o mar.
A perfeição é tanta...
Mas está difícil caminhar.
Dói a garganta, arranha.
Se eu soubesse que é bom o lado de lá,
Eu iria agora mesmo.
Mas será a fé apenas um desespero
da vida adulta na infância.
Acaba com a dor, ou me ensina
Como ser daquelas pessoas que sabem sorrir.
Se existe uma luz de verdade aí em cima,
Ilumina o mundo e caia sobre mim.
Será a vida somente isso,
Luta e respira tão pouco.
Ainda bem que o amor é ilusão,
Pois só ilusões dão sentido a esse mundo tolo.

Momento

Não era esse,
Não era essa,
Não era ele,
Não era ela.
Aguarde o próximo
ônibus, emprego, amor.
Fica pra próxima,
Depois eu te ligo.
Somos passagens,
Mas eu sou flutuante.
Alguns são paisagens,
Eu sou um instante.
Nessa passagem de vida,
Nada levo comigo,