segunda-feira, 20 de julho de 2015

Consumo

Resultado de imagem para andando na praia

Andei pela praia com meus pés descalços,
Revi minha história nas ondas do mar,
Segurei com firmeza os meus sapatos,
Era o momento de me reencontrar.
Foram tantas coisas e tantos sentidos,
Sentimentos que não sei explicar,
Decepção, ilusão, sonhos infantis,
Mataram a criança dentro do meu olhar.
De repente o que importa é o que fica,
Se não sinto a angústia a me dominar,
e se sozinha eu sigo, mas sozinha não me sinto,
Estou aprendendo o que é me amar.
E se nessa história eu pudesse apagar algo,
Tiraria as lágrimas que não valeu derramar,
Tiraria a falta de dizer o que senti,
Tiraria a consideração que tive por eles,
Pois não sobrava nada para mim.
Tantos laços teriam sido desatados,
Tanta gente que sabia dos meus sonhos,
Manipularam a menina afagando seu cabelo,
Mentiram, incentivaram e apontaram os dedos.
Mas ela aprendeu e cresceu com tudo aquilo,
As questões, os amores, os nãos, os gritos...
Tudo faz um sentido agora,
Sente a paz de quem lutou pela vitória.
Para viver é preciso conhecer a própria força,
Lutar por si mesmo e não para ter coisas,
Realização pessoal pode estar numa tarde,
Sentindo o sol e a paz que te invade.
O que esperam de mim eu já nem sei mais,
Eu espero ter deixado a dor para trás,
Foi tanta coisa por tanta besteira...
Que Deus me permita viver assim inteira!
Hoje eu sinto que sou uma mulher,
Que tem apreço pelos sonhos e sabe o que quer...
Mas tem dias que eu não sei se quero café,
andar pela praia ou viajar o mundo.
Mas a minha liberdade vem da minha fé,
de saber que eu sou o que vivi, e não o que eu consumo.
O que vai ser depois não cabe a mim,
Vou ser feliz agora!
Quero realização, e não a opinião do mundo.

segunda-feira, 13 de julho de 2015

Própria Companhia

Resultado de imagem para mulher abraçando

Ela sabia que estava acabando.
Observava sorriso nos rostos.
Alguns forçavam a face,
Para meio sorriso, tanto esforço.
No fundo estava triste,
Pois nada foi como ela quis.
Um passado que ainda existe,
Um presente sem ser feliz.
Ainda ouvia gritos e berros,
Seria o amor uma forma de suicídio?
Não a aceitaram em nenhuma de suas fases,
Agora já não se importava com isso.
Sua alma estava numa espécie de coma,
Inconsciente no meio de todos,
Seu sorriso também exigira esforço,
Estava ali, mas não era como os outros.
Tomou uma decisão que exigiria postura,
Acabar com a festa, derramar todo o vinho,
Que fossem embora aqueles que não a queriam,
O seu coração sempre fora sozinho.
Que belo vestido,Cadê sua conquista?
Deixa eu ver se eu te aprovo!
Pessoas hipócritas com suas ironias,
Vão viver de aparências, posar pra uma foto.
Ela correu no meio da rua,
Sua alma acordou naquele instante,
Sentiu uma gratidão pela vida.
Descobriu que ainda tinha sonhos.
Quem se aproveitou de sua inocência,
de alguma forma tinha lhe dado sabedoria,
Ela não quer festa nem dança,
Foi viver livre, em sua própria companhia.

Presença

Não sabia a diferença entre a presença e o nunca estar. Eu não soube desde sempre, Eu nunca estava lá. Só algo que já passou, Ou semp...