Pular para o conteúdo principal

Casa de Palha

Resultado de imagem para casa de palha

O menino queria uma casa.
Podia ser de palha.
Desde que lhe acolhesse.
Nunca desejava que chovesse.
A menina não entendia.
Como alguém desejava,
Uma casa tão simples;
Num palácio ela morava.
Brincando na floresta,
Avistou o menino,
Pés no chão, sorriso largo...
Tinha sangue nas mãos.
Suas mão estavam machucadas,
tinha emendado a palha,
Já tinha construído um teto.
O que será que lhe motivava?
Ela então lhe perguntou
Como poderia sorrir?
A sua casa nunca vai existir.
Ele lhe respondeu,
Eu já sei como vai ficar,
Terá uma janela,
Esse teto para quando a chuva chegar.
Meses então se passaram,
Ela ficara encantada,
Como construiu tão bem e sem ajuda,
Uma pequenina casa.
A chuva chegou rápido.
Ele gritou: venha cá!
Ela se abrigou na palha,
Nunca mais iria reclamar.
Ao voltar pra casa,
Contou ao seu pai sobre o amigo,
Um menino criativo,
A casa de palha que era um abrigo.
O pai chegou ao lugar,
Uma estrutura malfeita.
Garoto, venha cá,
Porque morar nessa casa feia?
Moço, é o que eu tenho,
e diz muito sobre o que eu sou.
Se hoje eu construo uma casa,
Amanhã posso ser doutor.
Minha filha tem tudo,
Mas prefere ficar aqui,
Brinca nesse chão sujo,
E volta pra casa feliz.
Vamos morar comigo,
Eu te ofereço abrigo,
Não tenho filho adotivo,
E minha filha pede um irmão.
O menino sorri,
Vai crescendo ali,
Mas o que sente por ela,
Não é só amor fraternal.
Não podemos namorar,
Tenho um amor no lugar,
Amo você de coração,
Mas é um amor de irmão.
Menina tão admirada,
Esse amor não serve pra nada,
Vamos na casa de palha,
Onde costumávamos brincar.
Cadê a minha folha?
Sumiu faz mais tantos dias,
Garoto me ajude a procurar.
Uma rosa no barro,
Já havia caído o telhado,
Da velha casa de brincar.
Se não me teve amor,
Porque daqui me levou?
Menina que não soube amar.
Não tive culpa,
Vou viver sem ninguém,
Mas tenho um pai que não sabe,
Que contigo tive que acabar.
O pior dos meus crimes,
Foi na inocência mostrar,
O que era tão simples,
Mas me fazia sonhar.
Pai perdoa o que eu fiz,
Não há amor que valha,
Tanta desgraça que causei,
Enterre-me com ela, na velha casa de palha.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Amém

Ouvi falar que há vida
Talvez além da morte
Chamam a isso de sobrevida
prolongamento ao infinito.
Ouvi falar que muitos morrem
E eu não acho isso natural
Tão estranho como nascer
É não ter a palavra final.
Mas não importa no dia a dia,
Esses dias choraram alguns...
Outros tantos não sabiam,
Que a dor pode ser de qualquer um.
Não importa as marcas,
do seu carro ou de tantas coisas.
O que corrompe a sua alma,
É o que afunda qualquer pessoa.
Estou sempre um passo a frente,
Correndo até a próxima dor.
Talvez eu devesse respirar,
No intervalo desse momento.
Não preciso de sobrevida,
Eu preciso sobreviver.
Não encontro a saída,
Mas estou dentro de quê?
Não me sinto parte de nada
Os anos estão passando por cima de mim,
Às vezes o gosto de uma lágrima,
Me lembra que preciso sobreviver.
Se preocupam com a vida após seu fim,
Mas abandonam o que sentem agora,
Eu preciso ser dona de mim,
Respirar um pouco lá fora.
Talvez todos chorem um dia,
Mas nem por isso aprendam a ser melhor.
Eu não quero o…

Ligação

Não adianta agora
não tenho mais o relógio
que marcava sempre a sua hora
e fazia tudo ser da gente
Não tenho mais o dia todo
Para pensar em você
A vida não é a mesma pela frente
Tenho muito o que aprender
Não tenho mais o pulmão arejado
nem o pulso sem cicatriz
Não tenho mais o coração intacto
e o sorriso mais feliz
Não tenho mais os pés dispostos
nem a inocência no olhar
Não tenho mais o peito aberto
Nem a emoção de caminhar
Não tenho mais o dia e a noite
Um para pensar,outro para dormir
Nem o sono da menina bonita
Onde tudo era pequeno e feliz
Não tenho mais o sonho da infância
Nem um amor qualquer
Desculpe não atender a sua ligação
é que a criança queria te ver
Mas ligou para uma mulher...

Bolhas nos pés

Até eu chegar a mim,
Eu fui o que disseram.
Até eu olhar para mim,
Me entorpeceram.
Me levaram para um lugar ruim,
e lá era muito longe.
Todas aquelas dúvidas em mim,
A sede era a própria fonte.
Enquanto me roubavam a paz,
Tiraram minhas esperanças.
Eu nunca estava lá,
Eu era sempre criança.
Quantas bolhas cabem nos seus pés?
Rezei até meus joelhos sangrarem.
Por quantos milagres esperam uma única fé?
Vaguei por tantos lugares.
Eu estava sempre sozinha,
Eu estava sempre enganada,
Eu vivia sempre chorando,
Dentro da minha vida fantasiada.
Você conhece a