domingo, 14 de fevereiro de 2016

Vamos falar sobre enganos...

Resultado de imagem para tristeza

Eu me enganei.
Não apenas a respeito dos outros,
mas a respeito de mim mesma.
Talvez a vida precise de mais de você,
Para que ela possa retribuir.
Apenas uma parte do que você dá,
volta de verdade para você.
Mas é uma parte que volta com força,
significado, sentido.
Se não tiver isso, tudo será energia perdida.
Eu me enganei ao pensar que sabia tudo,
Ao agir como quem não sabia nada.
Ao achar que um amor cura um outro.
Não existe cura para nada, se o que te fere estiver mal resolvido,
Não é uma pessoa que chegou agora que vai dar as repostas que você precisa.
Resolva.Seja o que for, e quando for.
Eu me enganei ao pensar que teria um melhor momento, para amar, sentir, viajar, conhecer e até sofrer. Melhor momento para piores coisas, sempre serão enganosos.
Não é porque você completou tal idade que as coisas vão acontecer daquela forma.
Você tem sua história, suas resoluções a serem apuradas.
Não é porque você resolveu rápido uma dor que pode apontar aquele que ficou ali.
Não é porque você não quer algo agora, que aquilo não voltará com força em sua mente.
Não é porque o tempo passou que você é uma pessoa melhor.
Eu me enganei quando quis matar o tempo.Deveria tê-lo vivido, revivido, ressuscitado.
Eu me enganei quando fugi dos meus conflitos; fingir que algo não aconteceu não é a melhor forma de limpar seu coração.Pratique o perdão.
Eu me enganei ao ser vitima das minhas escolhas, quando na verdade, era senhora de todas elas.
Posso ter feito pouco caso dos meus sonhos, posso ter tido medo de crescer, e tive que crescer para saber que não há respostas.
Eu me enganei quando não tentei tirar o melhor de tudo o que aconteceu. Quando sufoquei meus sentimentos, quando não fui ver um amigo, quando não fiz, não falei, não achei necessário, mas era apenas medo.
Eu me enganei quando achei que podia dar amor como gratidão.Amor não é moeda de troca, e sentimentos não são apenas palavras.
Eu me enganei quando esperei demais, foquei em coisas até  importantes, mas menos importantes do que as que realmente preencheriam meu coração.
Já pensou se nada do que julga certo hoje for o que vai preencher de fato seu coração?
Já pensou sobre seus sonhos? Eles estão numa gaveta? O que repousa hoje sobre eles? Compulsão? Depressão? Vingança?
Eu me enganei sobre a forma de se enganar, de se arrepender e de recomeçar.
Você se engana ao julgar os outros por suas próprias atitudes; você está arrependido não quando chora, mas quando você muda; e recomeço não é para quando der, mas para quando você enxergou a verdade e resolveu livrar-se de um falso conforto.
Vá mexer na sua gaveta e ver o que você está abandonando, Enganos são permitidos, desde que não sejam escolha sua!

sábado, 13 de fevereiro de 2016

Escolhi seguir

Resultado de imagem para estrada

Escolhi seguir.
Não porque estou no melhor momento,
Não porque fiz escolhas certas,
Não porque tenho motivos.
Escolhi seguir,
Não porque tenho certezas,
Não porque sei o que faço,
Não porque sei aonde vou.
Escolhi seguir, apenas isso.
As vezes eu choro por descontrole,
Já chorei por controlar demais.
As vezes eu me perco nos meus objetivos,
O que era sonho já não é mais.
As vezes eu sinto falta,
o que será que deixei no caminho?
O que será que o futuro guarda?
Será que preciso caminhar nesse vazio?
Vivi as minhas dores,
E elas me cegaram.
As incertezas do destino,
De um futuro imaginário.
As vezes me distancio,
e acho a vida tão frágil,
Por que fazemos planos para o futuro,
se não sabemos de tudo?
Seguir não é saber,
Ao contrário, sei menos ainda.
Ganhar também é saber perder,
Perdi amigos e o amor da vida.
Mas se tudo se acaba logo,
Porque eu entro nessa loucura?
Somos todos tão fúteis,
Nos consumimos na própria ira.
Eu  sabia tantas coisas,
e hoje, para que me servem?
Escolhi viver um dia de cada vez,
E Deus que diga sim aos planos que fiz para mim.
Mas e se nada der certo?
A morte virá de qualquer jeito,
Pelo menos irei ao ouro plano,
Sabendo que fiz o que devia ter feito.



Presença

Não sabia a diferença entre a presença e o nunca estar. Eu não soube desde sempre, Eu nunca estava lá. Só algo que já passou, Ou semp...