Pular para o conteúdo principal

Permita-me

Resultado de imagem para menina mulher
Você não me conhece,
Embora tenha me conhecido.
Não me reconheceria.
Eu não teria me reconhecido.
Queria me apresentar a ti,
Como alguém que não conhece,
Para que conhecesse essa,
Que a essas linhas escreve.
Essa sou eu agora,
Um novo eu, um novo jeito.
Ainda fico vermelha com elogios,
Ainda falo mexendo nos cabelos.
Ainda escondo segredos nos olhos,
Mas muito que já vivi,
Me ensinou o que deve ser compartilhado,
E o que devo deixar ir.
Eu queria que me visse hoje,
E sorrisse esquecendo os recados,
O tempo pode ser a chave mestra,
Que abre as portas do passado.
Eu não sou saudosista,
Caibo bem dentro de mim,
A minha alma foi ao inferno,
Para voltar e ficar aqui.
Sabe, eu queria te contar coisas simples,
Compartilhar as cores do meu mundo,
E se eu falasse coisas tristes,
Depois de chorar, mudaria de assunto.
Eu queria tanto ter a chance com você hoje,
Depois de morrer aquela menina inocente,
Seria a coroação de toda essa história,
Seria da vida, o mais belo presente.
Não quero ser melhor que ninguém,
Mas hoje sou melhor do que aquela,
Você foi a pessoa certa,
Na hora errada e na vida dela.
Permita-me apresentar,
Mas tudo bem, siga sem mim.
Quem sabe não é você o meu amor,
Ainda terei mais a descobrir.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A morte da menina

Morreu ela.
Coitadinha.
A menina,
menininha.
E agora,
Quem enterra?
Quais as culpas,
morrem com ela?
Você que vive,
Me diga por favor,
Como é viver
Sem ser digno?
Morreu você,
Morreram todos.
Andam sem saber,
Que todos somos.
Somos culpados
e inocentes,
Sangue derramado,
Vida inconsequente.
Você é melhor que o morto?
Na escala de quem?
Você se faz melhor que outro,
só por rezar e dizer amém?
Amém uns aos outros,
malditos infelizes.
Não adianta fazer tatuagem,
nas suas cicatrizes.
Vocês a mataram,
Ela morreu sem saber.
Que com a força que ela tinha,
não dependia de vocês.
Morram nos seus casamentos,
morram nas suas rotinas,
Mas não se achem mais vivos,
Que aquela formalizada morta menina!

Rei

Acaba com tudo,
acaba com isso,
Ó poderoso, rei dos reis.
Acaba com o mundo,
Ou muda tudo,
Ó poderoso, eu sou, eu sei.
Será que está assistindo,
Qual prazer isso lhe dá...
Será que mora em todo mundo,
Qual a maldade escolheu inventar.
Se fosse eu criador
Não teria criaturas sem amor.
Mas dão o nome de liberdade,
E ficam expostas as verdades.
Olho para o céu, ou para o mar.
A perfeição é tanta...
Mas está difícil caminhar.
Dói a garganta, arranha.
Se eu soubesse que é bom o lado de lá,
Eu iria agora mesmo.
Mas será a fé apenas um desespero
da vida adulta na infância.
Acaba com a dor, ou me ensina
Como ser daquelas pessoas que sabem sorrir.
Se existe uma luz de verdade aí em cima,
Ilumina o mundo e caia sobre mim.
Será a vida somente isso,
Luta e respira tão pouco.
Ainda bem que o amor é ilusão,
Pois só ilusões dão sentido a esse mundo tolo.