Pular para o conteúdo principal

Tem dias...

Resultado de imagem para sol praia

Tem dias em  que eu acredito no futuro,
Pequenos planos  me enchem de esperança.
Tem momentos  que eu encontro o que procuro,
E acredito na vida, como se fosse uma criança.
Eu esqueço as dores da minha história,
e apenas olho para frente.
Eu esqueço de tudo o que não deu certo,
E vivo como vive toda gente.
Eu me engano sobre o que eu mesma sinto,
Como se eu escondesse as minhas fraquezas.
Eu me tiro o direito de ser menina,
E chorar as lágrimas das minhas próprias represas.
Tem dias que eu saio de mim,
E não me vejo dona do meu mundo.
Tem dias em que eu domino tudo sim,
E não controlar parece um absurdo.
Oscilo entre ser ou não ser,
Ás vezes eu saio do caminho.
E nessa dúvida sobre o que é viver,
Eu ponho meus pés no chão, sempre sozinhos.
É que eu queria que fosse mais fácil,
Como parece ser para tanta gente.
Será que fiz meu coração frágil?
Será que não domino a minha mente?
Tem dias que eu fico feliz por pouco,
Agradecida apenas por respirar.
É como se eu saísse do jogo,
E visse como peças, todos a lutar.
Tem dias que eu choro a noite,
Porque já não vejo saída.
Mas parece que Deus tem planos,
E que tudo é apenas pequenas despedidas.
Tem dias que eu finjo que não te conheci.
E sigo essa vida de pessoa quase feliz.
Mas tem dias que a saudade invade tudo em mim,
E como hoje, tem dias, que eu só queria você aqui.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A morte da menina

Morreu ela.
Coitadinha.
A menina,
menininha.
E agora,
Quem enterra?
Quais as culpas,
morrem com ela?
Você que vive,
Me diga por favor,
Como é viver
Sem ser digno?
Morreu você,
Morreram todos.
Andam sem saber,
Que todos somos.
Somos culpados
e inocentes,
Sangue derramado,
Vida inconsequente.
Você é melhor que o morto?
Na escala de quem?
Você se faz melhor que outro,
só por rezar e dizer amém?
Amém uns aos outros,
malditos infelizes.
Não adianta fazer tatuagem,
nas suas cicatrizes.
Vocês a mataram,
Ela morreu sem saber.
Que com a força que ela tinha,
não dependia de vocês.
Morram nos seus casamentos,
morram nas suas rotinas,
Mas não se achem mais vivos,
Que aquela formalizada morta menina!

Rei

Acaba com tudo,
acaba com isso,
Ó poderoso, rei dos reis.
Acaba com o mundo,
Ou muda tudo,
Ó poderoso, eu sou, eu sei.
Será que está assistindo,
Qual prazer isso lhe dá...
Será que mora em todo mundo,
Qual a maldade escolheu inventar.
Se fosse eu criador
Não teria criaturas sem amor.
Mas dão o nome de liberdade,
E ficam expostas as verdades.
Olho para o céu, ou para o mar.
A perfeição é tanta...
Mas está difícil caminhar.
Dói a garganta, arranha.
Se eu soubesse que é bom o lado de lá,
Eu iria agora mesmo.
Mas será a fé apenas um desespero
da vida adulta na infância.
Acaba com a dor, ou me ensina
Como ser daquelas pessoas que sabem sorrir.
Se existe uma luz de verdade aí em cima,
Ilumina o mundo e caia sobre mim.
Será a vida somente isso,
Luta e respira tão pouco.
Ainda bem que o amor é ilusão,
Pois só ilusões dão sentido a esse mundo tolo.