Pular para o conteúdo principal

Morrer

Resultado de imagem para mulher sofrendo de amor

Respire fundo,
Apenas pare.
Você quer morrer,
É compreensível.
Às vezes tudo isso,
Não faz sentido algum.
Tem vezes que todo mundo,
Parece não ir a lugar nenhum.
O se passado te puxa,
Seus sonhos parecem gritos.
Seus pecados te usam,
Teu sangue escorre limpo.
A culpa de não ter feito,
A inocência que foi tirada,
O amor que nunca veio,
Todas as vezes você foi enganada.
A infância que foi tão curta,
E a realidade que nunca te perdoou,
O preço que a vida cobra,
Sempre é maior que o real valor.
Os amigos que foram embora,
Parece que ninguém mais sabe onde você está.
O futuro que não se apresenta,
Morreram os sonhos e você não quer encontrar.
Respire fundo e enxágue seu rosto,
Não vale a pena abrir mão,
O processo é doloroso,
Mas escute o seu coração.
Como seria não carregar tanto peso?
Como seria não se culpar por amar?
Como seria acordar para um novo dia?
Ser feliz por apenas acordar.
Desista de acabar com isso,
Tudo pode acontecer amanhã.
Aceite que está certo que esteja errado,
Vermelha e podre é a maçã.
Escolha não deixar que te definam,
Tire esse peso de carregar o mundo.
Aceite todas as suas fraquezas,
Resolver tudo é absurdo.
Escolha um pequeno sonho,
E o realize nesta noite,
Arranque do seu coração,
Aqueles que não sabem o quanto é preciosa.
Dar valor a si é mais que dizer,
É sentir de fato uma importância,
É chorar ao se arrepender,
E voltar a sorrir, somos todos crianças!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A morte da menina

Morreu ela.
Coitadinha.
A menina,
menininha.
E agora,
Quem enterra?
Quais as culpas,
morrem com ela?
Você que vive,
Me diga por favor,
Como é viver
Sem ser digno?
Morreu você,
Morreram todos.
Andam sem saber,
Que todos somos.
Somos culpados
e inocentes,
Sangue derramado,
Vida inconsequente.
Você é melhor que o morto?
Na escala de quem?
Você se faz melhor que outro,
só por rezar e dizer amém?
Amém uns aos outros,
malditos infelizes.
Não adianta fazer tatuagem,
nas suas cicatrizes.
Vocês a mataram,
Ela morreu sem saber.
Que com a força que ela tinha,
não dependia de vocês.
Morram nos seus casamentos,
morram nas suas rotinas,
Mas não se achem mais vivos,
Que aquela formalizada morta menina!

Rei

Acaba com tudo,
acaba com isso,
Ó poderoso, rei dos reis.
Acaba com o mundo,
Ou muda tudo,
Ó poderoso, eu sou, eu sei.
Será que está assistindo,
Qual prazer isso lhe dá...
Será que mora em todo mundo,
Qual a maldade escolheu inventar.
Se fosse eu criador
Não teria criaturas sem amor.
Mas dão o nome de liberdade,
E ficam expostas as verdades.
Olho para o céu, ou para o mar.
A perfeição é tanta...
Mas está difícil caminhar.
Dói a garganta, arranha.
Se eu soubesse que é bom o lado de lá,
Eu iria agora mesmo.
Mas será a fé apenas um desespero
da vida adulta na infância.
Acaba com a dor, ou me ensina
Como ser daquelas pessoas que sabem sorrir.
Se existe uma luz de verdade aí em cima,
Ilumina o mundo e caia sobre mim.
Será a vida somente isso,
Luta e respira tão pouco.
Ainda bem que o amor é ilusão,
Pois só ilusões dão sentido a esse mundo tolo.