Pular para o conteúdo principal

Porão

Resultado de imagem para porão escuro

Eu guardei coisas.
Haviam várias coisas estranhas numa caixa,
Nem reconheci que eram minhas.
Eu guardei mágoas,
Haviam várias dentro do meu coração,
Nem sabia da minha capacidade de odiar.
Guardei o que sentia,
Deixava para outra hora,
Sempre um novo dia,
Sempre outras história.
Me iludi achando que os dias eram iguais.
Porque essa é uma armadilha do tempo,
Fazer você achar que tudo bem estar só,
E não se resolver por dentro.
Guardei uma centena de imagens,
Nem sei qual delas aconteceu.
Guardei as malas de uma viagem,
Que desisti porque anoiteceu.
Guardei um amor no coração,
Guardei o ódio todo dia.
Achei que tudo bem não ser feliz,
Se ninguém é, por que eu seria?
Guardei a minha vida para depois.
Depois eu fui vendo todo mundo longe.
Guardei o carvão embaixo do travesseiro,
Achando que ele acordaria diamante.
Eu guardei culpas.
Que bobagens, nem eram minhas.
Eu me achei a pior pessoa,
Apenas por ser só minha.
Fiz uma limpeza no porão.
Tirei de lá as tralhas, coisas e roupas sujas.
Tirei também do meu coração,
Aqui só fica o que me modifica.
Joguei fora meu orgulho, até as minhas tentativas em vão.
Se for para ser feliz um dia,
Até das minhas certezas abro mão.
Que alivio não ter certezas, nem mágoa, nem rancor.
Assim como frio não entra, apenas o que sai é o calor.
Só entra o que eu permito, Só sai o que eu tenho.
E dona de tudo em mim,
Limpei tudo para um recomeço.
Apago as luzes do passado,
De vez em quando vou entrar lá,
Mas o presente é onde eu moro,
E nessa casa eu quero ficar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A morte da menina

Morreu ela.
Coitadinha.
A menina,
menininha.
E agora,
Quem enterra?
Quais as culpas,
morrem com ela?
Você que vive,
Me diga por favor,
Como é viver
Sem ser digno?
Morreu você,
Morreram todos.
Andam sem saber,
Que todos somos.
Somos culpados
e inocentes,
Sangue derramado,
Vida inconsequente.
Você é melhor que o morto?
Na escala de quem?
Você se faz melhor que outro,
só por rezar e dizer amém?
Amém uns aos outros,
malditos infelizes.
Não adianta fazer tatuagem,
nas suas cicatrizes.
Vocês a mataram,
Ela morreu sem saber.
Que com a força que ela tinha,
não dependia de vocês.
Morram nos seus casamentos,
morram nas suas rotinas,
Mas não se achem mais vivos,
Que aquela formalizada morta menina!

Rei

Acaba com tudo,
acaba com isso,
Ó poderoso, rei dos reis.
Acaba com o mundo,
Ou muda tudo,
Ó poderoso, eu sou, eu sei.
Será que está assistindo,
Qual prazer isso lhe dá...
Será que mora em todo mundo,
Qual a maldade escolheu inventar.
Se fosse eu criador
Não teria criaturas sem amor.
Mas dão o nome de liberdade,
E ficam expostas as verdades.
Olho para o céu, ou para o mar.
A perfeição é tanta...
Mas está difícil caminhar.
Dói a garganta, arranha.
Se eu soubesse que é bom o lado de lá,
Eu iria agora mesmo.
Mas será a fé apenas um desespero
da vida adulta na infância.
Acaba com a dor, ou me ensina
Como ser daquelas pessoas que sabem sorrir.
Se existe uma luz de verdade aí em cima,
Ilumina o mundo e caia sobre mim.
Será a vida somente isso,
Luta e respira tão pouco.
Ainda bem que o amor é ilusão,
Pois só ilusões dão sentido a esse mundo tolo.

Momento

Não era esse,
Não era essa,
Não era ele,
Não era ela.
Aguarde o próximo
ônibus, emprego, amor.
Fica pra próxima,
Depois eu te ligo.
Somos passagens,
Mas eu sou flutuante.
Alguns são paisagens,
Eu sou um instante.
Nessa passagem de vida,
Nada levo comigo,