Pular para o conteúdo principal

Serei essa

Resultado de imagem para mulher triste pensando de costas

Serei sempre essa,
Serei sempre a perda.
Serei sempre a que muda,
para ser a mesma.
Serei sempre a passagem,
Sou uma chuva.
Serei sempre a ilusão,
Serei sempre a surda e muda.
Serei sempre a que não sabe,
De que adianta tanto saber?
Serei sempre a que não cabe,
No mundo e modo de viver.
Serei sempre a que nunca foi,
Serei aquela que nunca fui;
Serei sempre a escuridão,
e sempre minha própria luz.
Ainda que veja beleza
Nas pequenas coisas da vida.
Serei a incerteza,
A morte sem despedida.
Somos todos passagens.
Mas para onde estamos indo?
Serei a que nunca sabe,
Qual estrada está seguindo.
Serei sempre a que fica.
Em algum lugar que desconheço.
Serei a que despreza a luta,
e luta por nada que mereço.
Serei a perda, o sangramento.
O aborto retardado do filho não gerado,
A luz seca que fura os olhos,
A inocência que não sobrevive ao caos.
Serei aqueles que passaram por mim,
Serei aquela doce vingança.
Serei a que rouba os sapatos alheios,
e que sobre estilhaços ensaia uma dança.
Serei o resultado de tudo que perdi,
Muito mais do que o que ganhei.
Serei orgulhosamente apresentada,
Como o resultado do que eu falhei.
Serei nada, porque ninguém é,
Sempre estamos e nada somos.
Serei o nada, apenas mulher.
Sendo esse tudo o que me consome.
Serei mais do que as consequências,
Serei a dona de todos os nãos.
Serei o apego a independência.
A compreensão de tudo em vão.
Serei o ar da manhã e dor da noite.
Serei o que é toda mulher,
Um misto de sentimentos,
Serei a que quer não querer e não quer.
Serei a escolha sem alternativa,
Serei de ninguém só para ser minha.
Serei tanta perda de sangue estancado.
Serei mais que a pessoa ao meu lado.
Serei essa que pede perdão,
Mas que não aprendeu a perdoar,
Serei a que arranca um coração,
Na contradição de tentar amar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A morte da menina

Morreu ela.
Coitadinha.
A menina,
menininha.
E agora,
Quem enterra?
Quais as culpas,
morrem com ela?
Você que vive,
Me diga por favor,
Como é viver
Sem ser digno?
Morreu você,
Morreram todos.
Andam sem saber,
Que todos somos.
Somos culpados
e inocentes,
Sangue derramado,
Vida inconsequente.
Você é melhor que o morto?
Na escala de quem?
Você se faz melhor que outro,
só por rezar e dizer amém?
Amém uns aos outros,
malditos infelizes.
Não adianta fazer tatuagem,
nas suas cicatrizes.
Vocês a mataram,
Ela morreu sem saber.
Que com a força que ela tinha,
não dependia de vocês.
Morram nos seus casamentos,
morram nas suas rotinas,
Mas não se achem mais vivos,
Que aquela formalizada morta menina!

Rei

Acaba com tudo,
acaba com isso,
Ó poderoso, rei dos reis.
Acaba com o mundo,
Ou muda tudo,
Ó poderoso, eu sou, eu sei.
Será que está assistindo,
Qual prazer isso lhe dá...
Será que mora em todo mundo,
Qual a maldade escolheu inventar.
Se fosse eu criador
Não teria criaturas sem amor.
Mas dão o nome de liberdade,
E ficam expostas as verdades.
Olho para o céu, ou para o mar.
A perfeição é tanta...
Mas está difícil caminhar.
Dói a garganta, arranha.
Se eu soubesse que é bom o lado de lá,
Eu iria agora mesmo.
Mas será a fé apenas um desespero
da vida adulta na infância.
Acaba com a dor, ou me ensina
Como ser daquelas pessoas que sabem sorrir.
Se existe uma luz de verdade aí em cima,
Ilumina o mundo e caia sobre mim.
Será a vida somente isso,
Luta e respira tão pouco.
Ainda bem que o amor é ilusão,
Pois só ilusões dão sentido a esse mundo tolo.