Pular para o conteúdo principal

A morte da menina

Resultado de imagem para menina morta tumblr

Morreu ela.
Coitadinha.
A menina,
menininha.
E agora,
Quem enterra?
Quais as culpas,
morrem com ela?
Você que vive,
Me diga por favor,
Como é viver
Sem ser digno?
Morreu você,
Morreram todos.
Andam sem saber,
Que todos somos.
Somos culpados
e inocentes,
Sangue derramado,
Vida inconsequente.
Você é melhor que o morto?
Na escala de quem?
Você se faz melhor que outro,
só por rezar e dizer amém?
Amém uns aos outros,
malditos infelizes.
Não adianta fazer tatuagem,
nas suas cicatrizes.
Vocês a mataram,
Ela morreu sem saber.
Que com a força que ela tinha,
não dependia de vocês.
Morram nos seus casamentos,
morram nas suas rotinas,
Mas não se achem mais vivos,
Que aquela formalizada morta menina!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Abismo

Quantas vezes por dia você morre?
Quantas vezes numa vida é possível morrer?
Quantas feridas abertas você socorre,
Quantas pessoas amigas ferem você?
Eu estive tão perdida,
Eu sai de lá mas às vezes eu volto.
Por que  não me tiraram de lá?
Por que me deixaram ir?
Alguns passos e eu caio em mim mesma,
Quando eu mergulho eu sofro,
Mas é melhor mergulhar que estar assim,
Submersa, sensível, arranhada.
A apatia é um desespero,
Que já estourou a garganta.
Eu sou sempre um recomeço,
Nesse ciclo que me cansa.
Me empurraram para o abismo,
Mas eu estou flutuando até agora.
Eu não sei até quando eu aguento,
Mas o meu tempo não é medido em horas.
Eu duvidei de mim mesma, porquê?
Se eu ouvisse de outros lábios,
Talvez eu acreditasse, me libertasse, fosse para longe.
Quantas realidades cabe na sua ilusão?
Aquele sim do altar se transformou em não.
Você pisa nos seus sonhos, igual pisa no chão.
Eu conheço esse sabor, agridoce da desilusão.
Eu estou em outro lugar,
Entre o mundo real e o que eu sem…

Momento

Não era esse,
Não era essa,
Não era ele,
Não era ela.
Aguarde o próximo
ônibus, emprego, amor.
Fica pra próxima,
Depois eu te ligo.
Somos passagens,
Mas eu sou flutuante.
Alguns são paisagens,
Eu sou um instante.
Nessa passagem de vida,
Nada levo comigo,

Bolhas nos pés

Até eu chegar a mim,
Eu fui o que disseram.
Até eu olhar para mim,
Me entorpeceram.
Me levaram para um lugar ruim,
e lá era muito longe.
Todas aquelas dúvidas em mim,
A sede era a própria fonte.
Enquanto me roubavam a paz,
Tiraram minhas esperanças.
Eu nunca estava lá,
Eu era sempre criança.
Quantas bolhas cabem nos seus pés?
Rezei até meus joelhos sangrarem.
Por quantos milagres esperam uma única fé?
Vaguei por tantos lugares.
Eu estava sempre sozinha,
Eu estava sempre enganada,
Eu vivia sempre chorando,
Dentro da minha vida fantasiada.
Você conhece a