Pular para o conteúdo principal

Amém

versículos-pequenos

Ouvi falar que há vida
Talvez além da morte
Chamam a isso de sobrevida
prolongamento ao infinito.
Ouvi falar que muitos morrem
E eu não acho isso natural
Tão estranho como nascer
É não ter a palavra final.
Mas não importa no dia a dia,
Esses dias choraram alguns...
Outros tantos não sabiam,
Que a dor pode ser de qualquer um.
Não importa as marcas,
do seu carro ou de tantas coisas.
O que corrompe a sua alma,
É o que afunda qualquer pessoa.
Estou sempre um passo a frente,
Correndo até a próxima dor.
Talvez eu devesse respirar,
No intervalo desse momento.
Não preciso de sobrevida,
Eu preciso sobreviver.
Não encontro a saída,
Mas estou dentro de quê?
Não me sinto parte de nada
Os anos estão passando por cima de mim,
Às vezes o gosto de uma lágrima,
Me lembra que preciso sobreviver.
Se preocupam com a vida após seu fim,
Mas abandonam o que sentem agora,
Eu preciso ser dona de mim,
Respirar um pouco lá fora.
Talvez todos chorem um dia,
Mas nem por isso aprendam a ser melhor.
Eu não quero ouro e reinado,
Eu só não quero estar só.
Eu sobrevivo sem pensar na morte,
A vida acaba quando for para acabar,
Inventaram essa coisa de sorte,
E muitos usam isso para nem tentar.
Ouvi falar de sobrevida,
Mas sobre a vida, o que há?
Morre mais quem não se entrega,
do que aquele que há de nos deixar.
Afinal, todos vamos para lá,
Seja lá o que isso for.
Mas enquanto estamos de pé?
Quantos ousam enfrentar a dor?
Não precisa ser eterno,
A arrogância humana vai além
Precisamos amar uns aos outros,
e isso inclui você também.
Não pense em acabar com tudo,
Nem pense que será para sempre.
Talvez o que Ele queira da gente,
É a sinceridade na própria mente.
Eu sobrevivi mais uma dia,
Talvez de uma fase ruim,
Mas talvez esteja tudo bem,
Se entre  tantos adeus, eu ainda sou amém.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Abismo

Quantas vezes por dia você morre?
Quantas vezes numa vida é possível morrer?
Quantas feridas abertas você socorre,
Quantas pessoas amigas ferem você?
Eu estive tão perdida,
Eu sai de lá, mas às vezes eu volto.
Por que  não me tiraram de lá?
Por que me deixaram ir?
Alguns passos e eu caio em mim mesma,
Quando eu mergulho eu sofro,
Mas é melhor mergulhar que estar assim,
Submersa, sensível, arranhada.
A apatia é um desespero,
Que já estourou a garganta.
Eu sou sempre um recomeço,
Nesse ciclo que me cansa.
Me empurraram para o abismo,
Mas eu estou flutuando até agora.
Eu não sei até quando eu aguento,
Mas o meu tempo não é medido em horas.
Eu duvidei de mim mesma, porquê?
Se eu ouvisse de outros lábios,
Talvez eu acreditasse, me libertasse, fosse para longe.
Quantas realidades cabem na sua ilusão?
Aquele sim do altar se transformou em não.
Você pisa nos seus sonhos, igual pisa no chão.
Eu conheço esse sabor, agridoce da desilusão.
Eu estou em outro lugar,
Entre o mundo real e o que eu s…

Bolhas nos pés

Até eu chegar a mim,
Eu fui o que disseram.
Até eu olhar para mim,
Me entorpeceram.
Me levaram para um lugar ruim,
e lá era muito longe.
Todas aquelas dúvidas em mim,
A sede era a própria fonte.
Enquanto me roubavam a paz,
Tiraram minhas esperanças.
Eu nunca estava lá,
Eu era sempre criança.
Quantas bolhas cabem nos seus pés?
Rezei até meus joelhos sangrarem.
Por quantos milagres esperam uma única fé?
Vaguei por tantos lugares.
Eu estava sempre sozinha,
Eu estava sempre enganada,
Eu vivia sempre chorando,
Dentro da minha vida fantasiada.
Você conhece a